Archive for setembro, 2008

Who wants to sleep forever???

…acordada não sei o que é dormir

quando durmo não sei mais o que é acordar…

>>>dormi e não mais acordei, vivi,isso a que chamam de vida, mas agora, há tempos, quero acordar e, sem efeito, não consigo, despertar, acordar pra sempre, do outro lado, no jazigo<<<

Ohne mich, Ich weiß nicht! Ich kann nicht! – Allein!

A culpa é minha…

(pq me duelen?)

A ferida não se fecha
o sangue verte copiosamente
e a dor, a essa, de fato dói.
Mas se eu mesma a quem me firo
se na chaga o dedo
e na visão o sentimento
é ele que acalma outra dor
provoco dor pra amenizar a dor
a dor é minha,
a culpa é minha
e a coloco em quem eu quiser…

(me duelen, oh god, como duelen!)

Culpa se refere à responsabilidade dada à pessoa por um ato que
provocou prejuízo material, moral ou espiritual a si mesma ou a outrem.
O processo de identificação e atribuição de culpa pode se dar no plano
subjetivo, intersubjetivo e objetivo.

Os peixes nadam no aquário…

Tudo é estático e pára.

Circula por tudo. Anda, anda, anda e volta.

Fica sempre no mesmo lugar sem possibilidade de fuga.

Nada acontece.

O telefone toca. A folhas farfalham. Dorme-se. Vivem.

O que aconteceu?

Em nenhures cousa alguma muda.

É tudo sempre o mesmo desde muito tempo.

O mesmo tempo. A mesma vida. O mesmo nada.

Nadices amareladas pelo tempo parvo inócuo.

O simulacro cotidiano, a teima em sobreviver.

O apego a essa insignificância, o medo do estranho.

Os costumes, as manias, o léxico fático.

Os peixes nadam no aquário…

um calo

me calo, pq a voz que fala eh outra.
me calo, pq o silencio que falo eh pouco.
me calo, pq comunico, decerto, mouco.
me calo, pq palavra, incerta, é rouca.
me calo
calo
cal
ca
c
.

Diz:tân(to)cia.

É o tom da voz,

o como,

o silêncio,

cada  simples palavra,

e o vasto mundo de significados,

é pelo que cativas

e a eterna responsabilidade

pelo olhar,

no fechar de olhos,

e pelo que isso tudo representa

e pela junção

pelo que parece intransponível

por outras coisas mais

infinitas coisas mais

é que você é

você

e essa é sua culpa, julgamento e sentença:

diz:                            tân                        –                     cia.